domingo, 30 de agosto de 2009

Eu não tenho pena do meu coração

"Adoro essas tuas confusões criadas na cabeça.
Que te fazem escolher ter três amores,
por não saber qual ama mais. "
Matheus Nasca, Você por nós, no Mim Observador.


Não, eu não me satisfiz com a última rasteira que eu mesma dei no meu coração. Lá vou eu me auto-sabotando outra vez. Lá vou eu inventando um outro amor. Lá vou eu sonhando em morar naqueles olhos e me perder naquele sorriso. Lá vou eu me imaginar naquelas histórias há muito já vividas. Tudo isso ao mesmo tempo em que eu ainda insisto num outro final feliz improvável. 
Eu e a minha mania de me apaixonar por tudo e por todos. De me achar em versos, toques, olhares. Eu e a minha mania de enxergar príncipes encantados. De gostar desse calorzinho no coração. De escutar "seu corpo combina com meu jeito, nós dois fomos feitos muito pra nós dois..." e ficar parecendo uma boba, sabendo que estou apenas inventando e ainda sim acreditando nos meus amores. Com aquele pensamento cretino de que se tantos já deram certo, por que esse não daria?
Tira esse sorriso da cara, menina! Tira essa certeza incerta desse seu coração levado. Aliás, aquieta esse coração; qualquer dia ele para por aí e você vai ter a cara de pau de dizer não saber o porquê. Quando na verdade você vive se metendo em aventuras sem saber se vai dar conta de tanta adrenalina. 
Mas sabe o que é? Você gosta da emoção, do risco.Você não consegue não se deixar envolver. Você não consegue simplesmente ignorar a conversa da semana passada, a poesia dedicada e nem aquele sorriso descompromissado. Qualquer convite é motivo pra festa, roupa nova, Victoria's Secrets e mil expectativas. Expectativas essas que podem ou não serem alcançadas. Mas qual o problema, você não gosta de arriscar?


(A verdade é que eu gosto de sentir. E com isso fazer cada pedacinho do meu corpo vibrar, e meu coração parecer uma bateria inteira de tanto tum-tum-tum. Resta saber até quando. E, pra ser mais sincera, eu espero que seja assim pra sempre.)

7 comentários:

Felipe Braga disse...

Lindo!
É isso que mantém o coração vivo, ainda que doa.
Parabéns, adorei.
Beijos.

Malu Tolentino disse...

Poderia copiar e colar no meu blog, do tanto que me encontro em cada vírgula do teu texto...
adoroo seu Bloog Lud, a cada post fico mais fã disso aqui...
Beijo Grandee ^^

Fe disse...

Lindo amiga... tudo a ver ne... entendi cada letrinha.
Gosta mesmo de arriscar? hahaha
Sentir. Sempre vale a pena... se der merda, depois passa! hahahah =]

Mustafa Şenalp disse...

Çok güzel site :)

Déia disse...

Arriscar as vezes é bom...mas se asegure que existe chão do outro lado do muro!
bj

Jaya disse...

Nosso estranho amor.

Lud,

O bom de tudo é que somos bonecas de pano. Rasga, mas sempre há de haver costura. E de retalhos, ainda que seja, o coração continua. Ainda mais belo. Recheado com um pedaço de cada coisa boa. E sempre tão mais linda.

Arrisquemos. Toquemos os sonhos.

'O acaso é amigo do meu coração...'

Um beijo, moça.

Filipe Garcia disse...

E todos gostamos, ao fim. Porque não desaparece a esperança do amor-felizes-para-sempre. Somos insistentes e românticos. Todos. Outros mais, outros menos. Queremos o par. Pra que sejam bonitos todos os dias. E sonho não dói. Não custa, também. Sonhamos, enquanto pudemos.

Beijo!