terça-feira, 14 de abril de 2009

E você?

Eu estou aqui. Você aí. Me inspirando todos os dias, nuns a falar de amor, noutros de decepção, noutros ainda de esperança. Inquietando meu coração, que nunca foi de calmarias. Eu, que só sei sentir, tudo, com toda intensidade. Eu, que te espero paciente (embora cansada). Agora te pergunto: e você? O que quer de mim? O mesmo que eu quero de você? Ah, não quer dizer? Então, por favor, não fale comigo com toda essa candura. Não me olhe com esses olhos lindos que me desvendam por dentro. Não me sinta. Ou melhor, me sinta, mas não conta pra mim não ta? Não agora. Espera eu te esquecer (ou me conformar). Não me mostre sua sensibilidade, não me mostre sua poesia, não me mostre seu coração. Não agora. Quando você se mostra, eu me dou. Sem rodeios. E eu não quero. Pelo menos enquanto você não souber o que quer de mim. E, se por um acaso, você quiser o mesmo que eu, me tenha. Me desvende, me ame, me prove, me tome. E eu, me dou. Por inteiro.

3 comentários:

Flávia disse...

Nossa Lud!
Num tem nem o que falar desse texto neh?!
FATO!!
haha amo vc viu?!
s2

Mila °•.εïз.•° disse...

Por que alguem nao lê esse texto hein??lálálá..

Luísa disse...

muuuuitos alguens tinham que le-lo =xx
hahaahaha
falooo nadaa =xx
mandou mt, gata! ;)