sábado, 20 de fevereiro de 2010

"Uma taça de vinho..."

"... e palavras soltas
Pra gente escrever e ser
Pra gente escrever, e ser, e se amar
Pra gente escrever, e ser, e se amar,
e não ter fim."
Fernanda Mello


Hoje eu quero confissões. Quero corpos embolados no tapete. Quero suor escorrendo pela pele. Quero altas doses de álcool. Serotonina, endorfinas e afins. Quero esquecer todos os pudores (logo eu que tenho tão poucos). Alguém me dê algo forte, na veia, por favor. Hoje eu quero anestesiar-me de qualquer desventura. Me basta a minha loucura, a minha insanidade e o meu querer. Me basta a minha cara de pau e a minha falta de vergonha na cara. E não ligo.

Quero uma noite de liberdade, suspiros ao pé do ouvido. Olhar. Beijo. Nuca. E John Mayer ao fundo, por favor. É aquela velha história de querer escrever uma puta história de amor. Mas chega de ficções, filmes, contos. Eu quero verdades na cara. Verdade no corpo. Verdade na alma. Quero dança lenta, fogo na carne.
Hoje eu só quero me permitir. E permitir alguém que me tire do sério. Me escreva poesia, que me cante, me toque.
Eu quero temer.
Tremer.
Arrepiar.
Esquecer.


"Não quero ver quem tem razão
Sou movida a paixão
Roupa jogada pelo chão,
sexo, amor, traição
O sol caindo no Leblon
Não, não diga nada
Deixa esse filme rodar, deixa essa estrela brilhar
(Não quero nem saber!)
Eu sei que sempre vale à pena
Outra cena de cinema acontecer."
Luciana Mello



(Você me inspira. Me confunde; eu te levo à sério. Verdades?)

5 comentários:

Poeta de um mundo caduco... disse...

Quanta intensidade! rs...

Às vezes sentimos falta de SENTIR, buscar, ouvir, dizer... se entregar!!!

Os impulsos são bem vindos, vez ou outra. Nos libertam, nos saciam...

... e não há nada tão bom quanto o gostinho da saciedade!!!

Bjinhos. (Amei o post)

Ingrid disse...

O melhor de todos os tempos. Acho que até me identifiquei com toda essa vontade. Ficou lindo e intenso com disseram no comentário acima. Parabéns!!

beijo

Jaya Magalhães disse...

Passei um tempo sem vir, você passou um tempo sem escrever. E quando volto, já tem tanta palavra! Ah, que delícia, Lud!

Que delícia mais ainda é esse texto. Essa necessidade toda, esse coração na mão, esses quereres...

Essa urgência é o que faz a vida ser fôlego. A falta dele. E isso é melhor que respirar.

Um beijo.

Agatha disse...

Queria isso todo dia, acho que não somos as unicas. Não há melhor sensação do que amar e sentir-se amada, numa sintonia perfeita, sem frescura sem mentira só .. amor.

Beijos.

Kaio Rafael, disse...

ahh, que intenso!

quero coisas assim de novo também!
eii, você tá escrevendo bem. ^^'

um monte de gente me surpreendendo hoje. =O

tá lindo isso aqui...