sábado, 10 de abril de 2010

A favor de gente de verdade



"Eu permito a todos ser como quiserem... e a mim como devo ser."

Chico Xavier




Eu gosto mesmo é de gente de verdade. Não sou de ficar medindo palavras ou ações pra pra satizfazer os outros. Eu ME satisfaço. Sou fiel às minhas vontades. Gosto de escrever, gosto de música boa, música brega, tenho manias, tenho defeitos. Aliás, todo mundo tem. Eu assumo todos (ou boa parte deles).

Gosto do meu samba, jogo a mão pro alto e canto a plenos pulmões "Tristeza, por favor vá embora!". E foda-se. Foda-se se o cara mais gato da noite vai me achar uma maluca. Foda-se se eu estou pingando suor de tanto dançar. Eu vivo, gente. Eu sinto. Tomo minha cerveja, sento no boteco (mineira que sou!) e chamo todos os garçons do mundo de Juvenal. Gosto de gente que abraça, que olha no olho, sorri, batuca na mesa, que fala merda, que derruba o vidro de pimenta no chão. Gostou? Então puxa a cadeira, pega um copo e arreda pra cá. Vamos bater um papo, falar da vida, da prova de amanhã, de política, de música, de sexo, de amor, de livros, de poesia, de nada. Não gostou? Foda-se. Mas por favor, não venha me podar, dizer que é falta do que fazer, que é politicamente incorreto, o que minha mãe vai pensar, isso não é coisa de mulher, que assim eu não vou ter o bom-partido. Meu bem, não é isso que eu quero. Aliás, que se fodam os bons-partidos, as boas-moças e demais bem rotulados do planeta. Eu não troco a minha vida cheia de emoção por um rótulo sem-graça de boa-moça por nada nesse mundo.

Li uma frase recente da Fernanda Mello (ele que sempre sabe!) que diz: "Ela é uma alternativa levemente radical às boas moças da sociedade". Ai, gente, me encontro em cada letrinha. Muito obrigada sociedade, mas eu não quero seguir padrões. Eu me dou o benefício da liberdade, de poder ser errada e incoerente de vez em quando. Eu me dou o benefício de chegar em casa de manhã, de cometer excessos, de ser cretina, de ser mulherzinha com as minhas frescurinhas, de escrever o que eu não devia (quem disse que não devia?). E eu tenho histórias pra contar. Eu faço a minha vida valer à pena. E não permito que quem quer que seja me imponha o que é certo ou errado. Guarde suas grandes e inabaláveis certezas, saberes da vida e verdades absolutas pra você. Eu tenho as minhas poucas certezas guardadas comigo, e elas estão prontas pra se tornarem dúvidas. Porque o mundo gira. O tempo passa. A vida muda. A gente aprende.
E eu, ME PERMITO.




8 comentários:

disse...

Olá Ludmila! Olha vou te dizer uma coisa, me identifiquei com cada letrinha que você escreveu. Já virou coisa manjada, toda vez que comento aqui, digo que vou copiar. rsrs Super me identifico mais que qq coisa. Bjus

Ingrid disse...

E que assim seja pq cada um deve cuidar da sua vida e se não gostar da minha(sua): FODA-SE, como vc mesma já disse!

Viva a permissividade a nós mesmas =)

beijobeijo

MALU TOLENTINO disse...

"Muito obrigada sociedade, mas eu não quero seguir padrões."

Padrões são chatos, viver na diferença é o que há!

Jaya Magalhães disse...

Aplaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaausos!

Eu te daria um púlpito para você gritar isso em todo canto, cara. Porque, mermã, é assim que tem que ser. Não que eu seja, mas, à minha maneira, sou. Me permito o que quero, ainda que dentro dos meus valores.

Tá lindo, Lud.

Aliás, tá LINDA!

Cheironitu.

Camii •εïз• disse...

Dona Ludmila,quem ousou te podar? Fala que eu pego,e rezo! Pq se eu rezo,acontece!#irmaselmafeelings

Kisscallmebitch!

Késia Maximiano disse...

Isso aí!
Assino embaixo!

Beeeijos

Kaio Rafael disse...

Quando comecei a ler seu texto tive a sensação de que seria mais um daqueles clichês auto-afirmativos de menininhas.

Achei estranho.

Então veio o 'foda-se',
e depois o modo natural sobre como falava de tudo,

e depois a ironia,
e depois a segurança de quem simplesmente sabe o que é e como funciona o mundo,
e, como é mesmo? 'foda-se'
é assim e pronto,
você é, eu sou.

e no final me vi envolvido,
não era só mais um texto auto-afirmativo de menininhas.
de modo algum, como seria?
é algo que sentimos todos os dias.
essa resistência por parte do mundo de nos deixar livres.

ah, acho que deu pra ver que gostei um pouco, não?
espero, humildemente, que sim. (:

Anônimo disse...

HAHAHAHHAHA AMEI!!!!!
amiga manda p mim toda vez q vc escrever! e manda p bruna tb hauhauahu
MT BOM
vc consegue me expressar melhor do q eu mesma!!!
AMO
fe